Guia de Episódios

Prólogo

Primeiro Ato

Segundo Ato

Terceiro Ato

Quarto Ato


 

 

Produção #V702 - Episódio 2


ROTEIRO DE
Melissa Good


ADAPTAÇÃO PARA A TV POR
Susanne Beck & TNovan


PRODUZIDO POR   /   DIRIGIDO POR
Carol Stephens   /   Denise Byrd

IMAGENS DAS CENAS
Judi Mair


TRABALHO ARTÍSTICO
Lucia


GRÁFICO DO TÍTULO DO EPISÓDIO
Linda (Calli)

 

TRADUÇÃO DO INGLÊS

Chris Burle

 


PRÓLOGO

 

FADE IN:

 

ANUNCIANTE

Semana passada, em Xena...

 

GABRIELLE

Você acabou de... de me deixar.

E eu preciso me ajustar a isso.

Mas como eu posso fazer isso se você continua aparecendo

na minha vida como se nada estivesse errado?

Bem, há algo errado sim!

Você está morta! Você está morta e você não vai voltar!

Eu preciso aceitar isso, eu preciso lidar com isso.

Sozinha.

 

Ela vira sua cabeça, olhando para a longa distância por um bom tempo.

 

 

GABRIELLE

(continua)

Eu me retirei e deixei você fazer sua escolha, Xena.

Agora eu preciso que você se retire e me deixe fazer a minha.

(pausa)

Deixe-me ir. Deixe-me ficar de luto. Por favor.

 

 

Xena permanece imóvel, o choque escrito claramente em seu rosto. É claro que ela queria dizer algo, qualquer coisa, mas a dor do que ela ouviu silenciou sua língua.

 

GABRIELLE

(continua)

Adeus, Xena.

Eu te amo.

 

Xena parou e observou enquanto Gabrielle levava Argo a um rápido galope. Uma lágrima solitária traçou seu caminho pela face de Xena.

 

XENA

(sussurrando)

Adeus, Gabrielle.

 

CORTA PARA:

 

Zenobia parou no espaço por vários segundos, aparentemente perdida em seus pensamentos. Então ela se virou e olhou para Gabrielle francamente de novo, um sorriso superficial ornando seus traços.

 

ZENOBIA

Eu suponho que haja destino pior 

do que ter a melhor aluna de Xena

ao lado de alguém durante uma guerra.

 

GABRIELLE

(doce, em dor)

Muito pior, acredite.

 

 

 

 

ZENOBIA

(abrindo os braços)

Bem-vinda, Gabrielle, e obrigada.

O Egito aceita sua oferta.

 

CORTA PARA:

 

LUCIFER

Estou ocupado, eu disse! Agora sai daqui

antes que eu te jogue junto com ela!

 

XENA

(VOZ)

Ahh, qual é "Lucy".

É assim que você trata uma velha... amiga?

 

 

 

 

Ouvindo a voz, Lúcifer gira, enfurecido. Xena está de pé entre dois demônios, olhando indiferente e de forma sombria. Seus olhos estão sem alma, mortos, ausentes de qualquer emoção. Rosnando o nome dela, ele voa através da sala e a toma pelo pescoço, apertando sua garganta com toda a força.

 

CORTA PARA:

 

 

Ele tira a espada da bainha de seu amigo, e joga-a para Xena. Ele então desembainha sua própria espada, girando-a em arcos rápidos e violentos, sorrindo largamente enquanto faz isso.

 

 

DEMÔNIO 4

Alguma última palavra?

 

XENA

Vejo você no Inferno.

 

 

Xena inicia o ataque, balançando sua espada com uma velocidade impressionante. O demônio bloqueia sua primeira investida, e suas armas se chocam, faíscas saindo de ambas as lâminas para caírem no quente chão de pedra. Xena se desvencilha e retoma seu ataque, desfraldando golpe após golpe nele. O demônio grandão tropeça para trás, mas consegue manter suas defesas, embora esteja claro desde o começo que ele está com excesso de falta de esperança.

 

 

 

 

Ainda assim, ele luta corajosamente, conseguindo até lançar alguns golpes antes de ser desarmado por um ataque violento.

 

 

O grupo inteiro observa enquanto sua espada tomba pelo ar, apenas para desaparecer quando alcança o portal.

 

 

Rugindo, o demônio vem até Xena, unhas estendidas, e pára quando a espada de Xena entra em seu peito. Seus olhos incham e ele olha para seu peito e depois para os olhos brilhantes de Xena. Ele arfa com sua respiração ofegante de morte.

 

 

DEMÔNIO 4

Anti... natural

 

 

Enquanto o demônio cai bruscamente, Xena remove sua espada. Há uma pausa, e então a fenda no seu peito se abre, e uma luz escura emana da ferida aberta. Ela flui para fora rapidamente, cobrindo a espada de Xena, seu braço, e finalmente seu corpo inteiro.

 

 

Seu corpo fica rígido, sua cabeça cai para trás, e sua boca se abre largamente em um grito sem som.

 

 

A luz desaparece, e em seu lugar está o DEMÔNIO XENA. Sua pele se transformou na cor da pele de um elefante. Seus olhos são de um misterioso prateado brilhante e incandescente. Asas de demônio brotam de suas costas, e suas mãos e pés ganham garras afiadas.

 

 

 

Ela ri ao ver a descrença atordoada nas faces dos demônios que a circundam. Antes que qualquer um deles possa fazer um movimento, ela se vira e pula através do portal, desaparecendo assim que o atinge.

 

 

CORTA PARA:

 

 

YAVIN

Minha Rainha. Gabrielle.

Houve um ataque no muro sul!

 

 

Gabrielle se volta rapidamente para Yavin, saltando, e agarra-o pela frente de sua armadura.

 

 

GABRIELLE

Um ataque? Quando?

Por que ninguém me chamou?

 

 

 

 

YAVIN

Não teve tempo! Aconteceu... tão rápido!

Nós sequer vimos eles chegarem!

(pausa)

As fortificações que você nos mandou fazer,

A defesa em volta da cidade, tudo isso, se foi!

(balançando a cabeça)

Foi como se... Deixa pra lá.

 

 

Gabrielle sentiu um pedaço de algo que ela não podia definir escorregando pela sua espinha. O cabelo atrás da sua nuca se eriçou, e ela sentiu a batida de seu coração se acelerar como se um suor frio se quebrasse sobre sua pele. Ela agarrou a armadura de Yavin com mais força, quase o sacudindo.

 

 

GABRIELLE

Não. Diga-me!

Foi como se o quê?

 

YAVIN

Nada, nada. Garanto a você.

Apenas a imaginação estafante

de soldados cansados, só isso.

 

GABRIELLE

(rangendo os dentes)

Diga-me.

 

YAVIN

Alguns de... alguns

de meus homens dizem que eles

viram uma espécie de...

demônio liderando as forças

contra nós.

(rindo pesaroso)

Eu disse a eles que isso era. . . .

 

GABRIELLE

(interrompendo Yavin)

Pelos deuses.

 

 

Soltando Yavin, Gabrielle se lança do hospital em uma corrida mortal, deixando os outros atrás dela de olhos arregalados.

 

 

CORTA PARA:

 

 

Gabrielle se vira novamente para a face das trevas na direção do acampamento de Brakus. Sua mente está em uma rodopiante torrente de indecisão, mas sua língua dá voz à única verdade que ela conhece.

 

 

GABRIELLE

(sussurrando)

Eu posso te sentir.

 

 

 

 

FADE OUT.


ANUNCIANTE

E agora, em Xena...




FIM DO PRÓLOGO

 

PRIMEIRO ATO